quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

O ASPERGER EM UMA CRUZADA MEDIEVAL

     Nas cruzadas medievais houveram relatos dramáticos da situação dos cristãos que peregrinavam em direção à Jerusalém. Tais relatos, ainda carentes de fontes de pesquisa, foram mal interpretados naquele século 11, o que fez com que o Papa Urbano II ordenasse a primeira cruzada no Concílio de Clermont-Ferrand (1095) contra aqueles que maltratavam os herdeiros de Cristo. Cabe lembrar que também foi no século 11 os mil anos completos da morte de Cristo.

     Sendo considerado território cristão onde houvera a epopeia histórica que deu origem ao cristianismo, consolidou-se assim a visão de que aquela parte do mundo deveria retornar ao controle do papado e garantir a peregrinação dos fiéis. Ainda está envolvida nessa questão, como não poderia ser diferente, a economia, sobretudo a produção de alimentos e a obtenção de riqueza de parte nobre, e a política, enquanto ameaça muçulmana a Europa.

     Pelo que é possível depreender do assunto, tem-se um dos melhores exemplos de como pode ser cruelmente tratada uma minoria sociológica. Em que isso pode ser pensado com o Asperger? Na medida em que o Asperger tem características, como também se sabe, que diferem do autismo clássico - a eloquência vem na frente – e que geram estereótipos colocados sempre que o portador, me parece, mostra-se incapaz de cumprir os costumes, o ethos grego, e age de maneira inesperada diante de tantos estímulos.

     Este é apenas um ato de colocar algumas ideias em registro sem a pretensão de criar uma verdade a ser acreditada.

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Aforismos 10

-> Aristóteles, seu chato. Não meta o nariz! Faça melhor: meta o dedo no nariz!

 -> Triste, Deleuze? Aristóteles, por gentileza?

-> Em que pensa a inteligência de um deus, Aristóteles?

-> Se a morte faz parte da vida, qual é o motivo de ser o pobre diabo obrigado a casar com ela?

-> Aristóteles, temos um problema: o autodidata. Não o que se diz autodidata, mas o termo. Quem não tiver aulas contigo, mande recado por alguém sobre esse contra senso.

-> Em realidade, que sejamos livres somente para outrem, assim como todos, também o sejam.
Bjo, Rousseau.

-> Platão, veja que elegante o Rousseau, o amante da Liberdade.

-> Platão, a política e a reflexão levam até a justiça?

-> Schopenhauer, qual é o problema da vontade de Agostinho, hein?

-> Quer dizer que só porque temos dois ouvidos podemos ouvir só dois lados?

-> Sade, meu garoto. Calma, Rousseau. Eu também gosto de ti.

-> Que tal se os marxóides e bozonazis dissessem também, como eu, que de nada sabem?

-> Escola sem partido é a mesma coisa que um partido sem escola? Platão, Ari, o que me dizem?

-> Uma pessoa que fala em estocar vento é porque tem conhecimento de causa, não?

-> Se o trabalho é bom, por que existem férias?

->  A minha ignorância não é produto multinacional.

-> Rousseau, aprenda uma coisa: quando começam a nascer os dentes é que já se inicia a convenção.

-> Rousseau, tu sabe o que está a fazer com a tua vida? Esse papo de homem que nasce livre na natureza pode ser um perigo! A gente nunca mais fica sem alguém correndo atrás a lembrar de filhos. E escrever livro sobre o assunto pode ser muito pior. Muitos não entenderão.

-> Pois é, Jesus. Que povinho esse Brasil, hein? Uns imaginam serem donos teus, outros devem pensar que fui eu quem ensinou o Lula.

-> Platão e Jesus, que orgulho! Um inventou a justiça e o outro a usou com a sua invenção, as minorias. Marx ficará exultante!

-> Hannah, agradeço pela distinção, mas não posso ser seu professor. Tenho muitos jovens já com hora marcada ávidos por investigar comigo e ainda os encontros com os amigos de copo de veneno. Mas procure pelo Martin Heidegger. Ele é um professor que saberá tratá-la com a devida atenção.

-> Outra vez sonhando com viagens astronômicas, Platão? Nietzsche, repita pra ele o que disse pro Jesus que não tem outro mundo tão importante quanto o nosso.

-> Agostinho, que papo é esse de demônio? Eu disse daimon, e não demônio!

-> Pois é, Nietzsche, eu sei que sou um incômodo, mas os jovens me adoram. Como me dou bem com eles. Disseram que eu corrompo a juventude, mas como? As pessoas não nascem ignorantes? Como poderão ser corrompidas? Diga alguma coisa, Aristóteles!

-> Rousseau, querido, não venha para Atenas. Aqui não se usa máscaras, mas é pura convenção.

terça-feira, 28 de junho de 2016

Aforismos 9

-> Conclusões Filosóficas - Não se acha a filosofia embaixo da pedra. A filosofia é esta pedra e com a qual a bater na cabeça. E se alguém do senso comum disser que isso não é normal, bata novamente em sua cabeça. Esta pedra é só sua, bem como sua cabeça.

-> Bebida Filosófica - Quer beber filosofia? Beba água. Quer se molhar com a filosofia? Jogue essa água no seu rosto.

-> Comida filosófica - Quer comer filosofia? Não coma carne. Nem a tua. Mas beba o e escreva com seu sangue.

-> Uma substituição - não deve ser a revolta que deve suceder indignação, mas o pensamento. E, no entanto isso deve ainda precedê-lo.

-> Mais na água - na água para beber deve ser adicionado cicuta. Não se pode conceber a filosofia sem ela. Não é para qualquer um.

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Aforismos 8

-> O Preço da Filosofia e o Preço da Ideologia - Espanta a constatação de que os laços familiares são fortemente reforçados pelos tentáculos ideológicos que comunicam alguma moral empoeirada. Percebido isso, cumpre aos filhos da filosofia escolher se preferem pagar este preço que tolhe em boa parte a liberdade, ou se pagam o valor que a filosofia exige, mas que não é valor nenhum.

-> O Tratamento da Ignorância - Não é porque a ignorância não pode ser mudada que ela deve ser aceita. Para que a ânsia de vômito inexista, a distância é fundamental. As toxinas demoram a sair do corpo.

-> O que dura pouco - Em poucos minutos, assim que abalada a resistência de uma ideologia, esta lança outra ideologia, geralmente a humildade, lembrando da imutabilidade da realidade. A filosofia se revolta diante disso.

sábado, 2 de abril de 2016

A LIBERDADE DO ASPERGER

Nada mais angustiante do que saber, ou melhor, não saber o que se tem. Ainda mais quando se percebe que muitos daqueles que demonstram carinho o fazem também por compaixão e/ou altruísmo, já que a idiossincrasia demonstrada se revela impossibilitada de ser considerada capaz de naturalidade (seja lá o que naturalidade queira dizer no senso comum).

Hoje, neste dia comemorativo dos laureados pela excelência da sensibilidade, vivo enfim com o Asperger. Posso dizer porque a desconfiança com toda a humanidade exacerbada, a inaptidão para o que é agudo em termos sonoros, a ojeriza às aglomerações inibidoras das individualidades, bem como o gosto pelo pensamento estático e grave que é proveniente dos livros e a necessidade de prudência em procurar a medida certa do termo a ser colocado, são para mim de uma preciosidade incomparável, o contrário da previsibilidade e ignorância cegas que vagam pelas ruas e habitam a maioria dos lares médios.

O que mais quero é agradecer este presente recebido da vida. Este presente que a autorização para enfim ser livre de tudo o que até agora não foi plenamente superado. O futuro é para mim um salão de dança onde posso levar à luz as possibilidades de autognose humana. Lá eu posso deixar a inocência da filosofia me dizer o que de fato é benéfico para a vida.

sexta-feira, 11 de março de 2016

Aforismos 7

-> A Liberdade da Covardia - Ao mesmo tempo que a covardia é demonstrada no suicídio, a liberdade no ato o executa.

-> O mesmo Tratamento - A mulher em TPM é semelhante ao embriagado: se encontra em um estado em que até a lucidez é um abuso.

-> A Mediocridade Ilude - Não é propriamente a mediocridade da vida comum que corrói, mas a sua infinita repetição.

-> Adaptação - Para esta vida infernizadora, é necessário ser um diabo também.

-> Antagonismo - A diferença entre a boa e a má intenção é a primeira sabe que a segunda existe.